Técnicas de Redação – A palavra escrita como forma de comunicação

Ao iniciar um curso de TR (Técnicas de Redação) eu procuro deixar bem claro para meus alunos que a palavra escrita visa em primeiro lugar a comunicação, para que nunca percam esse parâmetro de vista. Um texto repleto de palavras bonitas e sem erros gramaticais pode ser considerado um lixo se falhar em seu principal alvo: comunicar idéias.

Naturalmente que para expressar nosso pensamento da forma mais próxima possível do que queremos comunicar temos que dominar as regras gramaticais, ter um bom vocabulário que nos permita dizer exatamente o que queremos e sobretudo comunicar nossos pensamentos de forma organizada e clara.

Se não planejamos o que vamos escrever corremos o risco de divagar sobre vários assuntos sem permitir que o leitor perceba exatamente do que estamos falando, ou que leia tudo para no final concluir que não entendeu absolutamente nada.

Devemos sempre lembrar que não escrevemos para nós mesmos, já que se assim fosse a escrita seria totalmente desnecessária. Temos sempre que nos colocar na posição do leitor e tentar imaginar o que ele vai entender do que estamos expondo.

Algumas atitudes são temerárias quando se vai escrever uma redação: 1) quando o aluno já começa a escrever diretamente na folha de prova ou de respostas, como se estivesse fazendo uma lista de compras; 2) quando o aluno fica olhando o infinito à espera de inspiração divina; 3) quando o aluno acaba a redação e a entrega sem dar nem uma lida antes. Em qualquer dos casos já sei de antemão – a não ser que o aluno em questão tenha um verdadeiro talento natural para a escrita – que vai sair uma porcaria.

Quando você se propõe a escrever uma redação tem que organizar as idéias primeiro, então vá colocando num papel à parte, de preferência a lápis, caso mude de idéia:

  • Assunto principal
  • Prós (argumentação lógica / com citações defendendo a posição a favor)
  • Contras (argumentação lógica / com citações defendendo a posição contrária)
  • Argumento final (mostrando a sua posição sobre o assunto)

Pode parecer estranho, mas o ideal é que você mostre sua opinião sobre o assunto e mostre como chegou a ela, analisando os pontos positivos e negativos e depois mostre sua conclusão final, a não ser que seja repórter e tenha que demonstrar isenção, mas não é esse o caso tratado aqui.

Ter uma posição clara já é um fator complicador, uma vez que os jovens só se interessam pelo que diz respeito a eles. Tenho dificuldades com turmas de adolescentes quando abordo temas mais adultos e a resposta vem certeira: “sei lá”. Por isso é importante ler livros, jornais e revistas. As redações de concursos e vestibulares importantes costumam sugerir temas que vêm sendo debatidos nos últimos tempos pela sociedade e é importante formar uma opinião quanto a eles, tanto para escrever uma redação quanto para ser um ser humano mais antenado e participante.

A apatia atrapalha na hora da redação e cabeças vazias produzem redações confusas e sem conteúdo. Lembre-se que você tem que comunicar o que tem na cabeça na hora da redação, portanto é bom alimentá-la com boas leituras, se possível diariamente.

Por último, antes de entregar sua redação leia-a novamente, coloque-se na posição do leitor e analise friamente o que pode ser melhorado, o que deve ser modificado. Lembre-se que o leitor não conhece sua ideia e depende de sua redação para entendê-la e assimilá-la, portanto seja claro e objetivo.

Leia também: Para ter uma boa redação

2 Comentários

  1. Faz muito tempo que ue terminei os estudo, eu só tenho o ensino médio e gostaria volta estudar.Mas o Portunques é muito compricado para mim.

  2. Wilson Dufles

    Professora Zailda, muito boas as suas explicações. Obrigado.

%d blogueiros gostam disto: