Por quê é tão difícil aprender inglês?

Todo ano formam-se dezenas de classes novas na escola onde leciono e são classes bem numerosas, a procura por um idioma estrangeiro hoje é uma necessidade para aqueles que querem um bom emprego, já que não se imagina um currículo onde não conste pelo menos um idioma que o candidato a uma vaga domine pelo menos em nível intermediário.

Então logo no início do ano é aquela festa, muitas classes se formam mas logo nas primeiras semanas já temos muitas “baixas”. Questionados os alunos que “debandaram” alegam que o curso não era bem o que queriam, ou que começaram outro curso, ou que “estão sem tempo agora”, ou então que o curso é muito “difícil” e que não estavam conseguindo acompanhar.

O curso não era bem o que eu queria

A não ser que o aluno queira estudar alemão e se matricule por engano numa classe de inglês, essa resposta me parece uma “fuga”. Antes da matrícula o aluno é muito bem informado a respeito do curso e não há como matricular-se por engano. Eu entendo esse “não era como eu queria” como uma forma sonhadora de encarar um curso de idiomas. O aluno acha que vai aprender num passe de mágica, bastando para isso estar matriculado, e quando ele descobre que para aprender terá que falar em sala, entender o idioma falado, terá atividades extras em casa (auditivas, escritas, leituras, etc) e que ainda assim terá que se empenhar para conseguir um bom resultado, cai fora, diz que não era bem isso que ele queria. Acho que o aluno queria uma pílula mágica que ele tomasse a cada 3 dias e que acordasse depois de uma semana falando inglês fluentemente. Se alguém sabe de uma pílula como essa me avisem porque quero aprender árabe e esperanto e estou sem tempo.

Comecei outro curso

Quem começa um curso, depois começa outro e pára o curso que já tinha começado parece aqueles macacos que ficam o dia todo pulando de galho em galho. De vez em quando o galho quebra e vão de cara no chão, mas sobem na árvore e continuam pulando de galho em galho. Para um macaco tudo bem, mas para seres humanos acho que é necessário ter um objetivo na vida. Se você quer uma coisa hoje, amanhã quer outra e assim por diante, acho que antes de fazer qualquer coisa é necessário decidir primeiro o que você quer e estabelecer um plano de ação.

Se você quer ser secretária, não adianta matricular-se num curso de secretariado às segundas e quartas, num curso de inglês às terças e quintas e num outro de computação aos sábados. A não ser que você seja aquele tipo de pessoa com vontade férrea e super-organizada, não vai conseguir levar tanta coisa adiante e seu cérebro vai ficar sobrecarregado com tanta informação. Melhor seria decidir o que quer fazer primeiro e fazer uma coisa de cada vez, ou ver o que vai poder usar primeiro.

Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo descansou, não vamos nós querer fazer tudo de uma vez até porque se Ele teve que descansar e se organizar para fazer as coisas por partes, porque achamos que vamos conseguir fazer tudo de uma vez? Lembrem-se do pato, que quer nadar, andar e voar e no fim não faz nenhuma dessas coisas direito.

Concentre suas energias em uma coisa de cada vez e assim terá um resultado melhor, poderá organizar seu dia de forma mais eficiente e dedicar mais tempo, tendo um resultado bem superior ao de quem faz um monte de coisas (mal feitas) ao mesmo tempo.

Afinal de contas você não vai morrer amanhã, e se for, pra que quer aprender inglês?

Estou sem tempo agora

O tempo é a gente quem faz, através da organização. Diz o ditado que se você pedir  algo a alguém que tem muito tempo livre, essa pessoa nunca irá arranjar tempo para fazer; peça a alguém que tem muitas atividades e essa pessoa com certeza vai arranjar um tempo para atender seu pedido.

O segredo? A pessoa que tem muitas atividades só consegue isso porque aprendeu a organizar seu tempo, a estabelecer prioridades e sobretudo a não “procrastinar”. Procrastinar significa “deixar para depois”. Quem está sem tempo “agora”, vai estar sem tempo o ano que vem e também daqui a 10 anos. É aquela história de todas as dietas que só vão começar na segunda-feira que vem. A segunda-feira que vem é um tempo indeterminado no futuro, ou seja: nunca.

Se você quer fazer ou acha que precisa fazer, não adianta adiar nem inventar desculpas para sua falta de coragem ou de vontade. Comece hoje, agora. Quanto antes começar, mais cedo irá terminar. E aí é só correr pro abraço.

O curso é muito “difícil”

Não existe nada fácil nem difícil, nós é que complicamos. Você sempre tem dois caminhos para chegar aonde quer, um mais fácil e outro mais difícil. Incrível como tantas pessoas escolhem sempre o caminho mais difícil, parece até que querem fracassar.

Aprender do jeito mais fácil não é complicado, é só chegar em casa e continuar seu aprendizado ouvindo músicas, lendo, consultando seu livro e fazendo as atividades sugeridas ou pedidas pelo professor. Assim quando chegar o final do semestre você estará aprovado e gozando de “merecidas” férias.

Fazer do modo mais difícil é abandonar os livros assim que sair da escola, fazer de conta que nada mudou em sua vida porque entrou num curso de inglês. Quando chegar o final do semestre começar a “correr atrás do prejuízo”, decorar tudo e passar “raspando”.

Eu particularmente acho que correr atrás do prejuízo é uma grande bobagem, prefiro correr atrás do lucro, o prejuízo se quiser me alcançar vai ter que correr muito atrás de mim. Fazendo tudo aos poucos, uma atividade cada dia, em breve você vai ver os frutos e vai sentir prazer em aprender. E quando finalmente “chegar lá”, vai olhar pra trás e ver o caminho que percorreu com seu esforço e vai sentir orgulho de si mesmo.

Leia também:

O prazer de aprender

Você só fala português?


2 Comentários

  1. esg

    yytfh

  2. “O curso não era bem o que eu queria”

    Não estou dizendo que não tem pessoas que esperam aprender inglês por mágica, mas essa desculpa pode ser apenas incompatibilidade de gosto ou objetivos.

    Cada curso de inglês tem uma metodologia diferente, a pessoa precisa encontrar algum que mais lhe adapte.

    Aquelas 4 habilidades fundamentais estão sempre presentes no estudo, mas a proporção na qual elas estão misturadas afeta os resultados que a pessoa está obtendo.

    Se a pessoa está mais interessada em conversação, um curso que foca mais na leitura e interpretação de texto não vai lhe cair muito bem.

    O esforço é necessário e muito!
    Tem pessoas que mudam de curso (foi o meu caso) simplesmente porque encontram outro no qual conseguem se esforçar mais.

    Seja por questão de gosto, objetivo, metodologia, material de estudo, empatia com o professor, rtimo, etc.

    Outro problema é quando a pessoa está aprendendo inglês apenas por obrigação (dos pais, chefe, mercado de trabalho, aliens, etc)
    Ela não estaria ali por conta própria, enquanto ela não resolver esse problema dificilmente vai pra frente…

    Essa sua analogia com um macaco que pula de galho em galho me lembrou de uma citação que eu ouvi uma vez.

    “Men who succeed reach decisions promptly and change them, if at all, very slowly.
    Men who fail reach decisions, if at all, very slowly and change them frequently and quickly.”

    Bom é isso.
    Muito bom o seu texto diga-se de passagem.
    Apenas gostaria de acrescentar aquele detalhe.
    Até a próxima

%d blogueiros gostam disto: