5 dicas para escapar da recuperação

prova-mania-2Chegam as férias e é hora de descansar, viajar, passear, ver TV, jogar videogame, ver os amigos… Mas nem para todos esse tempo chega com as férias. Aqueles que já fizeram tudo isso em vez de estudar durante o ano agora terão um tempo para tentar recuperar o tempo perdido: a recuperação.

Para alguns é um “mal necessário” (mas seria mesmo necessário?), para outros a última chance de fugir da reprovação. Alguns alunos encaram a recuperação como “parte do processo” e ouço alguns adolescentes conversando como se fosse a coisa mais natural do mundo, já nem perguntam: “você ficou de recuperação?”,  perguntam logo: “em quantas matérias você ficou?”

Se você não acha que a recuperação faz parte do processo de aprendizado, nem que é um “mal necessário” e quer entrar de férias assim que as aulas terminarem, seguem aqui 5 dicas que podem ajudar:

  1. Como já dizia Jack, o estripador: Vamos por partes. É muito mais fácil estudar um pouco de cada vez. Aprendemos mais e melhor, não temos que estudar duas (ou mais) vezes e não esquecemos depois. Matéria dada hoje tem que ser estudada hoje, não na véspera da prova.
  2. Lição de casa é importante porque é o “arremate” de tudo o que você viu na sala de aula. Quem não faz lição de casa age como se costurasse sem dar o nó no final da linha. A lição é a “prática” que vai fazer com que o aprendizado passe de “provisório” a “permanente”. Só praticando aprendemos de fato.
  3. Decorar não é aprender. Se eu aprendo uma coisa de verdade, praticando e por acaso acontecer de na hora da prova eu esquecer 20%, ainda serei capaz de acessar e usar os outros 80%. Lembre que quando você decora a letra de uma música, por exemplo, se esquecer uma linha, já não conseguirá lembrar o que vem depois dela. Se decoramos apenas, teremos que lembrar tudo e na sequência correta, mesmo que só precisemos de uma parte da informação, ou seremos incapazes de lembrar tudo o que vem depois. Quando meus alunos de inglês aprendem o alfabeto praticando (e eu sempre forneço oportunidades para que pratiquem, mostrando também como usar esse aprendizado), em pouco tempo são capazes de soletrar qualquer palavra e não esquecem mais. Mesmo que esqueçam uma ou outra letra, ainda são capazes de lembrar as demais. Os alunos que aprendem o alfabeto em inglês decorando a música “The Alphabet”, cada vez que vão dizer uma letra têm que cantar toda a música mentalmente até chegar naquela que precisam. Quando esquecem uma parte da letra são incapazes de ir adiante.
  4. Quando copia dos outros você só está enganando a si mesmo. Quem tem que aprender é você, o lucro será todo seu se aprender. O que aprendemos na escola são informações que serão usadas na vida toda, inclusive na vida profissional. Não aprendemos só para passar na prova ou no vestibular. Quando você não aprende, quem se prejudica é você. Alguns alunos dizem orgulhosamente que copiaram todo o trabalho do colega e o professor (bobo) nem notou. O professor está fazendo o trabalho dele, o salário dele não muda se você copiar a tarefa ou reprovar. O único prejudicado nesse caso será você mesmo. Então quem é o bobo da história?
  5. Estude mais a matéria que não gosta e tem dificuldade, e não a que gosta mais. A que gostamos mais é aquela que nem precisamos estudar, como a achamos interessante nosso cérebro “arquiva” tudo e não deleta nada. O aluno que tem dificuldade em matemática e vai bem em português tem que estudar matemática 2, 3, 4, 10 vezes mais que português. É comum o aluno “fugir” do que não gosta, mas para sair-se bem na escola (e na vida futura) tem que aprender tudo, não só o que gosta.

Leia também:

Prova de inglês – do modo fácil ou do modo difícil?

Quero aprender – método de choque

Você sabe fazer um resumo?

Material didático:

Apostilas de inglês

Apostilas de espanhol

Apostilas de português

assinatura verde

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: